Doenças condições de cães

Hematoma auricular em cães

Hematoma auricular em cães

Visão geral do hematoma auricular em cães

O hematoma auricular, comumente chamado de "orelha de travesseiro", é um acúmulo de sangue nas camadas da cartilagem da orelha do cão. Eles geralmente aparecem como inchaços cheios de líquido na superfície côncava (embaixo) da pinna, que é a parte pontiaguda ou flexível da orelha. A causa exata é pouco conhecida, mas qualquer condição que leve à cabeça a tremer ou arranhar a orelha, como infecção bacteriana da orelha ou ácaros da orelha, pode ser responsável.

Os hematomas auriculares podem ser dolorosos ao toque e podem agravar uma doença do ouvido subjacente. Se não for tratado, o inchaço pode eventualmente resolver por si próprio, deixando o ouvido deformado, o chamado "ouvido de couve-flor".

O que observar

  • Balançando a cabeça
  • Inchaço da pinna
  • Diagnóstico de Hematomas Aurais em Cães

    Em um exame físico, um inchaço quente e cheio de líquido é observado na superfície interna da orelha. Eventualmente, o hematoma pode ficar firme e espessado, resultando em uma aparência de "couve-flor" deformada.

    Doenças do ouvido concomitantes, como infecção ou material estranho, são comuns, mas nem sempre presentes.

    As radiografias do crânio podem ser indicadas se o seu veterinário suspeitar de doença externa ou do ouvido médio.

    A avaliação da orelha pode mostrar a presença de bactérias, leveduras, ácaros da orelha ou material estranho. Anormalidades em exames laboratoriais (hemograma) são incomuns.

    Tratamento de Hematoma Aural em Cães

    A doença do ouvido subjacente deve ser tratada adequadamente.

    A aspiração por agulha do hematoma geralmente resolve o problema apenas temporariamente. A recorrência é comum com esta técnica.

    O tratamento cirúrgico é geralmente indicado.

    Cuidados e Prevenção Domiciliar

    Leve seu animal de estimação a um veterinário para avaliar o hematoma e determinar se há alguma doença do ouvido subjacente.

    Atrasar o tratamento raramente resultará em um resultado satisfatório ou cosmético e não aborda o motivo pelo qual o hematoma ocorreu em primeiro lugar.

    Verifique as orelhas do seu animal com frequência, pelo menos uma vez por semana, para ver se há evidências de inflamação, como vermelhidão, inchaço ou dor.

    Consulte o seu veterinário assim que a cabeça tremer, arranhar ou esfregar a orelha.

    Informações detalhadas sobre hematomas auditivos caninos

    Muito poucos outros problemas médicos se assemelham a um hematoma auditivo. O inchaço cheio de líquido da pinna é característico. Ocasionalmente, um abscesso ou um tumor da pinna pode ter uma aparência um pouco semelhante.

    Abscesso

    Um abscesso pode ocorrer secundário a um corpo estranho penetrante ou a uma ferida da mordida. Uma infecção pode se estabelecer entre as placas da cartilagem, levando à formação de uma bolsa de pus. A diferenciação de um hematoma é simples, usando aspiração por agulha. O abscesso produz pus amarelo ou verde; o hematoma produz sangue.

    Tumor

    Um tumor da pinna requer aspiração por agulha para obter células para exame em lâmina, sob um microscópio. A diferenciação entre um tumor sangrento ou cheio de líquido e um hematoma pode ser possível com esta técnica. Caso contrário, pode ser obtida uma amostra de biópsia. Os tumores da pinna são normalmente firmes, carnudos ou ulcerativos (sangramento) e, portanto, bastante diferentes de um hematoma aural.

    Os cuidados veterinários devem incluir testes de diagnóstico e recomendações de tratamento subsequentes.

    Diagnóstico em profundidade

    O seu veterinário avaliará o ouvido de perto e palpará (sentirá) o inchaço.

    O seu veterinário também examinará o canal auditivo externo. A inspeção visual do canal auditivo pode ser seguida por exame otoscópico. Alguns cães podem tolerar muito bem esse procedimento, mas outros podem resistir e se contorcer, necessitando de sedação ou até anestesia geral. Por esse motivo, um exame detalhado do canal auditivo pode ser feito no momento do tratamento cirúrgico do hematoma.

    A visualização do canal auditivo horizontal e vertical, juntamente com a membrana timpânica ou o tímpano, é essencial como parte da investigação de uma causa subjacente do hematoma aural. Culturas podem ser obtidas neste momento para ver quais bactérias ou fungos estão crescendo no ouvido e quais medicamentos são sensíveis. As zaragatoas com ponta de algodão podem obter amostras do canal auditivo, ser borradas em uma lâmina e avaliadas ao microscópio por parasitas como ácaros da orelha e leveduras.

    Radiografias do crânio, nos casos em que há suspeita de doença do ouvido externo ou médio, também são obtidas sob anestesia geral. As radiografias são necessárias apenas se o canal for estreitado e obstruído, impedindo a avaliação visual do tímpano. Quando disponível, a tomografia computadorizada (tomografia computadorizada) ou ressonância magnética (RM) pode ser mais útil que a radiografia para avaliar o envolvimento da orelha média.

    Tratamento em profundidade

    O gerenciamento médico por aspiração por agulha raramente é bem-sucedido. Foi relatada a injeção de esteróides no bolso vazio, após a drenagem. A recorrência com essas técnicas é extremamente alta.

    A cirurgia visa remover o hematoma, prevenir a recorrência e manter a aparência natural do ouvido.

    A técnica cirúrgica mais comum envolve a realização de uma incisão em forma de S na superfície côncava da orelha, sobre o hematoma, expondo a cartilagem subjacente de uma extremidade à outra. Sangue e coágulo de dentro do inchaço seriam eliminados.

    Antes do tratamento cirúrgico, seu animal deve receber um exame pré-operatório completo. Neste momento, pode ser coletado sangue para verificar uma variedade de sistemas corporais antes de receber anestesia geral. Uma amostra de urina e radiografias de tórax também podem ser necessárias, dependendo da idade e do nível de saúde do seu animal.

    Sob anestesia geral, a orelha será avaliada e, se necessário, cultivada e o canal auditivo será limpo e lavado.

    As suturas são colocadas através da pele na superfície côncava, através das duas placas de cartilagem e abaixo da pele, ou através das duas placas e saindo pela pele, e depois voltando à superfície côncava. As suturas têm cerca de 1 cm de comprimento e correm paralelas aos principais vasos da orelha; isso é vertical, não horizontal. Um número suficiente de suturas é colocado ao redor da incisão para obliterar quaisquer bolsas de líquido restantes.

    Seu veterinário NÃO suturará a incisão fechada. Em vez disso, ele ficará ligeiramente aberto para permitir a drenagem.

    Alguns veterinários podem preferir inserir um dreno de borracha de látex estreito (1/4 de polegada) no inchaço, deixando-o no local abaixo de um curativo para a orelha por 10 a 14 dias. O curativo ajudará a aplicar pressão e o dreno impede o acúmulo de líquidos. Uma cânula de teto, originalmente projetada para uso em vacas leiteiras, pode ser modificada para o mesmo objetivo. Ambas as alternativas funcionam bem, e seu veterinário pode ter tido um bom sucesso com esses métodos.

    Um curativo pode ser usado para proteger o ouvido após a cirurgia de hematoma, mas a manutenção do curativo pode ser difícil. A tolerância do paciente para o curativo geralmente é limitada. Quando um curativo é usado, a orelha é colocada sobre a parte superior da cabeça, com curativos não adesivos e estofamento de algodão para proteger o local da cirurgia e oferecer uma compressão suave. Vetrap® ou meia podem ser usados ​​como camada externa. Um colar elizabetano pode ser uma alternativa melhor para muitos cães. Onde os medicamentos são necessários para o ouvido após a cirurgia, o curativo pode ser um problema, pois restringe o acesso ao canal auditivo.

    Cuidados de acompanhamento para cães com hematoma auricular

    Uma consulta veterinária deve ser solicitada assim que um hematoma auricular for descoberto, embora isso NÃO seja uma emergência cirúrgica em cães.

    Conclua o curso de medicamentos (tópicos, orais ou ambos) para o tratamento de uma doença do ouvido subjacente, se houver.

    Onde um curativo é usado, verifique sob a região do pescoço para garantir que não esteja muito apertado e não interfira na respiração.

    Monitore seu cão quanto à tolerância a um curativo ou coleira. Ligue para o seu veterinário se este for um problema.

    Quando não houver curativo, verifique diariamente a incisão quanto a inchaço ou vermelhidão excessivos. Uma descarga aquosa e com sangue é considerada normal nos primeiros dias após a cirurgia.

    Volte ao seu veterinário em 10 a 14 dias para a remoção da sutura. A maioria dos cães tolera esse procedimento sem a necessidade de sedação.

    Verifique as orelhas do seu cão com frequência, pelo menos uma vez por semana, sentindo alguma dor ou desconforto ao redor da base da orelha e procurando no canal auditivo a presença de cera, vermelhidão ou qualquer outro tipo de descarga. O canal auditivo deve estar aberto, limpo e não inflamado. Se estiver inflamado, você deve consultar o seu veterinário. Não se sinta tentado a sondar o ouvido com um cotonete, pois é possível danificar inadvertidamente o canal ou o tímpano. Se o seu animal de estimação tem um histórico de infecções no ouvido, esse tipo de monitoramento será ainda mais importante.

    Nos primeiros sinais de sacudir a cabeça, consulte o seu veterinário. Muito poucos cães que realmente sofrem de doença do ouvido externo passam a ter um hematoma auditivo, mas abordar o problema de ouvido subjacente cedo ajudará a evitar a ocorrência dessa problemática doença secundária.